conecte-se conosco

Justiça

Rebelião na UPP termina com 17 feridos e com presídio totalmente destruído

Publicado

em

Os sete agentes penitenciários feitos reféns por detentos na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), em Manaus, desde manhã deste sábado, 2, foram liberados nesta tarde e a rebelião chegou ao fim no presídio. Não houve nenhuma vítima fatal e 17 pessoas ficaram feridas, sendo dez agentes, cinco presos e dois policiais militares, que atuaram na contenção do motim.
 
Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), a rebelião teve início por volta das 7 horas (horário de Brasília), durante a entrega do café da manhã, quando internos serraram a grade de duas celas e fizeram os agentes de socialização reféns. Os presos atearam fogo em colchões e, de fora da unidade, era possível visualizar a fumaça intensa e ouvir gritos.
 
“O Grupo de Intervenção Penitenciária (GIP) e forças de segurança da Polícia Militar do Amazonas (PMAM) – Rocam, Coe, Batalhão de Choque, Companhia de Cães – foram acionados para controlar a movimentação.
 
Desde 16 de março deste ano, quando o Governo do Amazonas baixou o primeiro decreto de ações de combate ao novo coronavírus, a administração penitenciária adotou medidas que ampliam as limitações nos presídios, como a suspensão de visitas.
 
Abaixo algumas imagens de como ficou o presídio após a rebelião.
 

Informação com veracidade é a marca registrada do nosso site 📰

Mais notícias